14450

Autora: Filipa Ribeiro (Técnica de Educação Especial)

O desenvolvimento é um processo dinâmico e único de cada criança, expresso por uma continuidade de processos de mudanças nas diferentes áreas do desenvolvimento. Por conseguinte, cada criança é única e não existem estratégias iguais que possam ser aplicados num modo geral. Cada criança tem as suas particularidades e nem sempre o que é adequado para uns e também para outros. No que concerne à educação, nem todos se adaptam ao método de ensino tradicional, o que, por consequência, resulta em dificuldades na aprendizagem. Para evitar e colmatar estas dificuldades, é importante que professores, terapeutas, família e educadores informais, tenham consciência que são necessárias adaptações para que a criança aprenda melhor. É importante haver flexibilidade de adaptação e criatividade para criar materiais didáticos que estejam ajustados aos interesses e competências de cada criança.

É essencial proporcionar a todas as crianças um ensino de qualidade em que a adaptação de materiais deve ser feita de acordo com o repertório comportamental de cada criança e deve atender as suas necessidades individuais e assim, contribuir e estimular a sua capacidade de aprendizagem.

Mas será que, ao adaptar os conteúdos de aprendizagem das crianças, elas podem perder conteúdos curriculares relevantes?

A resposta é NÃO! Ao adaptar os conteúdos com base nas suas necessidades individuais, vamos focar atenção da criança no que é realmente importante aprender, mantendo a integridade do conteúdo do currículo escolar.

O material adaptado deve ser atraente e adequado para que a motivação da criança em aprender seja potenciada. Deve ser claro e objetivo, com enunciados ajustados, evitando longos textos que exijam uma interpretação complexa e distribuindo menos exercícios por página para que a criança tenha menos informação na qual tem de focar a sua atenção. Sempre que possível, o conteúdo adaptado deve abordar temas de interesse para a criança, sendo esta estratégia, uma forma simples de estimular e captar o interesse.

De um modo prático, explana-se um exemplo de uma atividade criada especificamente para uma criança que apresenta dificuldade em manter a atenção e o interesse nos conteúdos académicos.  Criou-se uma ficha, cujo objetivo era trabalhar a contagem e as quantidades, recorrendo às imagens do seu desenho animado favorito. Com este pequeno detalhe, conseguimos criar um objeto de interesse para a criança, com o qual ela quer trabalhar, mostrando-se atenta e interessada, potenciando assim uma aprendizagem eficaz.

 

Filipa Ribeiro Téc.Educação Especial